23 agosto 2014

23 agosto 2014

É magoa



Bom dia,

Saudade de você dizendo essas duas palavras. Meus dias não foram mais tão bons desde que fui obrigada a acostumar com a vida sem elas. Tudo em mim dói e eu não desejo essa dor a ninguém. Nem mesmo a você. Eu acho que você teve seus motivos e um dia a vida vai me mostrar todos eles. Por enquanto, estou me permitindo sofrer porque eu me sentiria um pouco insensível se não o fizesse. Você significou bastante pra mim. Eu nunca disse e todos os dias me pergunto se teria sido diferente se eu tivesse dito.

Eu ainda não consigo acreditar que você só sumiu. Sabe? Teria doído bem menos se você tivesse dito que não dava mais. Eu me sentiria algo. No momento me sinto nada. Sinto que eu não valia nem um "adeus". É terrível sentir que você não vale uma boa explicação para o fim. Eu espero que ninguém faça isso com você um dia. Ou, pra te tocar um pouco, com a sua filha. Aliás, eu me peguei pensando nela esses dias e já imaginei que qualquer hora vamos nos esbarrar por aí e eu vou dizer "como ela cresceu", como se não fosse o normal da vida.

Crescer, inclusive, é algo que eu e você ainda precisamos fazer. Internamente. Eu, por toda essa carência, você, por toda essa dificuldade de colocar pontos finais. Eu nunca senti que éramos certos um para o outro, se você quer saber, mas me apeguei mesmo assim. Porque você era bom para mim e nem eu mesma era boa comigo. Eu até comecei a me amar um pouquinho, porque se alguém como você insistia tanto em mim, eu devia valer algo. Que irônico pensar que agora justamente pelo que você fez comigo eu voltei à estaca zero.

Nem me venha com os sermões sobre como precisamos nos amar antes de amar alguém. Alguém ainda vai me aceitar como eu sou. Louca, cheia de defeitos. Eu choro muito e estou chorando agora. Eu queria que você tivesse deixado pelo menos um bilhetinho na sacola com as minhas coisas que você deixou na portaria. Um "foi bom enquanto durou". Um "boa sorte". Mas você só deixou a sacola, toda amassada. Um pouco como eu.

Agora eu espero desamassar.

E boa sorte pra você.


Deixe o seu comentário

23 julho 2014

23 julho 2014

Por isso a gente acabou



Eu sinto muito.

Por tudo que você está passando, mas ainda mais por eu ter me culpado tanto.

Pelo show do Ira, quando me segurei pra dizer que te amava, mas ainda mais por ter sentido amor por você

Por não ter falado muito no nosso primeiro encontro, mas ainda mais por quebrar o gelo aceitando ir pra sua casa.

Por nunca ter te levado aos meus passeios de domingo, mas ainda mais por você não se interessar por arte.

Por gostar de programar bizarros como Tudo Pela Audiência, mas ainda mais por você não achar a Tata Werneck "tudo isso".

Por nunca ter aceitado tocar violão pra você, mas ainda mais por você não fazer ideia do que é música country.

Por ter feito você fechar dois bares na mesma semana, mas ainda mais por ter bebido o bastante pra não ver que começou a dar errado ali.

Por ter criticado sua religião, mas ainda mais por você não entender o que você fez não parece algo que deixaria Deus feliz.

Por achar que pedir desculpas por um erro que cometi seria o suficiente, mas ainda mais por ter aceitado uma dúzia das duas.

Por duvidar de coisas sérias que você me contou, mas ainda mais por você ter mentido tanto, a ponto de eu não conseguir acreditar em nada.

Por não ter ajudado com a janta ou a louça do nosso penúltimo encontro, mas ainda mais pelo dinheiro que gastei com vinho e táxi.

Por você não ter conseguido dizer que não queria mais, mas ainda mais por ter ficado esperando uma resposta.

Por ter investigado tudo sobre você no último mês, mas ainda mais por tudo que eu descobri.

Por como terminamos, mas ainda mais por ter demorado tanto pra isso acontecer.


Deixe o seu comentário

21 julho 2014

21 julho 2014

E por aí vai...



Quase sumi de novo, hehe. Meus últimos dias foram cheios e só agora, quase duas da manhã, consegui tempo pra postar aqui. Vou só falar um monte de baboseira e vocês comentem se quiserem, tá? Aliás, obrigada por terem comentado tanto nos últimos posts, não esperava.

Sabe quando os dias passam e a gente percebe que não tem feito nada pra melhorar a vida? Tenho me sentido um monte de merda ultimamente. Tenho passado muito mal e chamado o hospital de segunda casa e o pouco tempo que tenho livre, finalizo jobs mil que na verdade não parecem acabar nunca. Tem sido uma luta pra não me estressar com os prazos, porque stress só piora minha condição.

Sempre me sinto feliz à noite e péssima durante o dia. Eu sei que a maioria de nós tem isso, mas eu queria fazer parte da minoria. Dói muito não conseguir encarar algumas horas acordadas enquanto o sol está alto. Faz com que eu também queira estar, se é que vocês me entendem. A vida não tem sido nada fácil e eu nunca me senti tão sozinha antes, mas tenho tentado me fazer entender que posso usar esse vazio como um recomeço e isso sempre me conforta.

Recomeços deveriam mesmo ser reconfortantes, mas na maioria das vezes só fazem doer. Eu não tô mais na idade (velhona) de recomeçar. Eu quero criar raízes. Com alguém, em um só lugar. Arranjar um emprego que eu ame como a Leslie Knope ama o dela. Poder dizer sem pensar quem são as 5 pessoas que mais confio na vida (só consigo pensar em 2). Bancar um apartamento pequenininho, mas onde ninguém me perturbe. Encontrar alguém que não me faça sentir descartável quando a minha maior dificuldade na vida já é me aceitar como sou.

Quero demais. Eu sei, nem nego. Quero o que todo mundo quer e o que é mais difícil de conseguir. Simplicidade é difícil, que irônico. Minhas expectativas sempre são muito altas, pra tudo que faço. Isso me incomoda e me desespera, porque parece que nunca vou aceitar só o que tiver. Sempre vou querer mais e ficar louca por isso. É coisa do ser humano isso de sempre querer mais, mas eu vejo pessoas que se contentam com a boa vida que levam e eu gostaria de ser uma delas. De ter problemas, mas não me descabelar como faço. De começar alguma coisa e levar adiante porque ninguém pode fazer o que tenho feito nos últimos anos - parar tudo que começo. Eu estava bem forte até algumas semanas atrás, queria poder dizer que não sei o que houve, mas eu sei bem.

Tô falando bastante e indo a lugar nenhum, então vou fazer um link com o próximo quadro, Fábião (vocês têm assistido Tudo pela Audiência? Espero que sim, porque, se não, não vão entender minhas referências) e mostrar minha pequena viagem com a Dani, do Mimimi e Fofurices. Ela gravou um vlog lá, então vou deixar o link pra vocês. É bem mais legal ver esse vídeo do que ler mais quatro parágrafos sobre minha vida, eu garanto.


Até mais, galeura! :)


Deixe o seu comentário

15 julho 2014

15 julho 2014

Aguando o bom do amor



Eu não sei o que aconteceu. Um mês passou e não sei. Eu me culpo todos os dias, talvez pra poder te perdoar com mais facilidade. Você me deixou esperando e esqueceu de voltar. Que droga, justo você. Você sabia como eu me sentia sobre as pessoas. Elas são todas filhas da puta, eu sempre insisti nisso. E insisti também em dizer que você estava me fazendo mudar de ideia. Mas olha onde estamos agora. Ou não estamos.

Eu espero que uma hora você sinta minha falta e que não seja tarde demais. Eu sei que ainda consigo te receber de braços abertos, mas uma hora vou superar essa necessidade de te ter aqui. E aí nem precisa insistir, não vai adiantar. Se não sentir, que ao menos lembre de mim com carinho quando a Tatá Werneck aparecer na TV ou você for fazer arroz. Eu espero que na Virada Cultural do ano que vem você lembre que foi comigo que foi pela primeira vez e volte àquela noite de maio. Preciso contar que foi exatamente ali que me apaixonei por você. A alguns metros do palco montado na Júlio Prestes, você com as mãos nos bolsos do meu shorts, cantando Tarde Vazia no meu ouvido. Quis dizer que te amava mas me segurei, como sempre fiz com sentimentos bons.

Eu espero que um dia você plante aquela árvore que tanto falava que plantaríamos juntos. Queria que tivéssemos feito isso a tempo para eu ter algo nosso nessa cidade. Digo, eu tenho os bares que íamos juntos, a padaria onde tomávamos café, mas eu poderia olhar para aquela árvore e pensar "ela é nossa". Eu me apego muito a coisas assim. Eu me apego até hoje ao dia em que você disse que não parava de pensar em mim e em como te achei estranho como, alguns minutos antes de me beijar pela primeira vez, você disse que já éramos praticamente um casal. Revirei os olhos como quem acha estúpido, e meu coração se contorceu já prevendo o que aconteceria depois.

Eu espero que você tenha arranjado alguém pra desentupir a pia da cozinha e que lembre de trancar a porta antes de dormir. Espero que lembre de fazer listas de supermercado pra não esquecer coisas banais como papel higiênico. Espero que tenha guardado as coisas que acabei deixando no seu apartamento e não tive coragem de buscar. Eu espero que tenha aprendido algo comigo além de como fazer arroz, porque eu aprendi tanto com você. Eu espero que saiba que tive alguns dos melhores dias da minha vida ao seu lado e que não teve uma única noite que me arrependi de dormir ao seu lado. Mesmo quando você pegava no sono no meu colo e eu era obrigada a assistir Rafinha Bastos. Honestamente, prefiro o Gentili.

Honestamente, se quer mesmo saber, prefiro você. Com todos os defeitos, todas as diferenças, toda a bagunça que fez aqui dentro. Eu não sei se lembro onde as coisas estavam antes de você chegar, então, por favor, venha arrumar. Ao menos não deixe esses cacos de amor espalhados pelo chão do meu peito. Varra para debaixo do tapete. Dizem que o que os olhos não veem, o coração não sente. Mas o que a gente faz quando já está no coração?

Eu espero...


Deixe o seu comentário

13 julho 2014

13 julho 2014

Cumprindo metas



Esse fim de semana a Tami voltou com o blog dela e um dos novos posts foi sobre as metas que ela tem pros próximos meses. Lembrei que no fim de 2013 fiz um post com 52 coisas que gostaria de fazer esse ano e vim aqui contar as que já risquei da minha listinha.

Voltar a caminhar no parque pelo menos 3x por semana
Não só voltei como entrei pra academia. Tô num hiatus at the moment, mas vai passar e vou continuar minha rotina, eu juro.

Trocar de celular
Tô com um Positivo YPY agora e adorando. Meu celular anterior era o Galaxy Fit e eu não curtia muito - a memória era pouca, o Android era 2.3 e não atualizava, era bem limitado. Tô feliz e mês que vem já termino de pagar o atual :)

Conhecer uma balada nova de SP
Conheci o Anexo B e a Hot Hot. O Anexo virou minha nova balada favorita <3

Assistir a um show de um artista internacional que eu goste muito
EU VI A JOSS STONE, GENTE!!! DE PERTO!!! ELA É LINDA E EU CHOREI MUITO.

Reencontrar alguns professores da escola que me ajudaram durante os 3 anos de ensino médio ^_^
Um beijo pra Miriam, que até hoje me dá uns puxões de orelha. <3

Conseguir um estágio legal ou um emprego meio período ~na minha área~
Trabalhei temporariamente como designer pro ModaPontoNet esse ano e foi muito bom. Agora, trabalho com programação no SESC e gosto bastante :)

Conhecer meus amigos (ou pelo menos alguns dos meus amigos) virtuais
Não dá pra conhecer todos, mas conheci várias pessoas do Twitter esse ano, inclusive a Dani, que eu amodoro.

Aprender uma grande receita
Eu devia ter escrito "aprender a cozinhar", porque esse ano foi a primeira vez que fiz arroz e ensinei alguém a fazer também. Considerando isso, acho lasanha uma receita gigantesca. Bjo xau

Ir a Campos do Jordão
Cidade linda que eu odiei porque a irmã do meu ex tava lá no mesmo dia e ele tava em casa com outra. Brigada, Deus.

Ir ou promover um encontro entre blogueiras
Rolou em fevereiro, no Ibira <3

Foram poucas, já que a lista tinha 52 itens, mas tô bem satisfeita. Na maioria das vezes, não cumpria nem duas metas das listas que fazia nos finais de ano.

Vocês estão cumprindo as que fizeram?


Deixe o seu comentário

 

Design e programação por Mayara Sousa.