Quem escreve?

Oie! Meu nome é Mayara Sousa e já aviso que adoro falar. Principalmente se for sobre mim. Já reescrevi essa apresentação umas 50 vezes. Estou sempre mudando (no mundo real, me chamam de volúvel mesmo), crescendo e tentando amadurecer. Já quebrei muito a cara achando que crescer e amadurecer significavam a mesma coisa. Descobri recentemente que euzinha, no auge dos meus 20 anos, ainda não faço ideia do que estou fazendo aqui. Eu, que entrei em crise quando fiz aniversário porque me achava muito velha...

Sou aquariana e pra me conhecer basta entrar no João Bidu ou no site da Susan Miller e ler o perfil do meu signo. Eu juro, sou dessas que querem fazer uma revolução numa noite, ir contra a maioria, viver de arte, viajar o mundo e no fim da noite se decepcionam porque tudo aqui parece muito pouco pra tudo que sonho. Fico triste com muita facilidade, me deprimo com o fato de pessoas terem virado objetos e objetos, nossas maiores conquistas. Ainda acredito em amor e confesso que sou uma romântica incurável. Mesmo já tendo o coração quebrado algumas vezes. De alguma forma, eu consigo consertá-lo e fazê-lo funcionar como antes. Meu maior medo sempre foi virar uma dessas pessoas que deixam de acreditar no amor só porque se magoaram algumas vezes.

Falando em medos, todos eles estão nesse blog. O Pedras já me proporcionou muita coisa boa e hoje é meu diário. Tem dias que nem acredito que o fato de compartilhar coisas que eu gosto e um pouquinho do meu dia a dia já me proporcionou tanta coisa boa. Blogar é minha paixão, mas o tempo é escasso e não consigo me dedicar em período integral a isso. Trabalho no lugar mais legal do mundo: no SESC, e isso me consome. Faço alguns freelas na área de web design e o que eu quero mesmo é terminar minha faculdade de Publicidade e trabalhar com criação. Ah, uma coisa tá ligada a outra, né?

Eu sou confusa. Eu me expresso mal. Quando comentam sobre meus textos, quase não acredito que tenha alguém que realmente goste ou se identifique. Meus sentimentos colidem uns com os outros, meu nó na garganta ninguém desata e até hoje não sei como cabem tantas borboletas nesse estômago. Na verdade, sou intensa. E acabei descobrindo que a escrita me ajuda durante minhas piores crises. Eu compartilho muito de mim aqui no blog e sempre esqueço que pessoas que convivem comigo diariamente podem acabar lendo. Isso é um problema porque durante meus desabafos eu falo demais. Se você fuçar nas tags aqui do blog, vai descobrir meus maiores medos, sonhos e o quanto eu consigo amar. Também vai descobrir o quanto já me arrependi, mas como a vida é engraçada e tudo te leva exatamente aonde você deve estar.

Logo logo eu chego no meu destino.


 

Design e programação por Mayara Sousa.